Imagem capa - A arte de traduzir sentimentos em filme de casamento por Anne Filmes

A arte de traduzir sentimentos em filme de casamento

Mesmo prometendo uma conversa informal, como um "papo de bar", meu objetivo mesmo é fazer você sentar no divã da Anne e abrir seu coração para que eu possa também sentir sua emoção, para que o brilho dos seus olhos quando conta a sua história de amor ressoe em mim e eu possa me sentir um pouco mais humana e intensa, para que eu crie uma identificação e um amor pelo novo roteiro que estou construindo, o de vocês. Então trago a tona várias ideias para contarmos em formato cinema, é o filme do seu casamento, nada mais certo a se fazer do que irmos um pouco mais afundo e buscar essas sensações aí dentro desse peito, certo?

E é numa dessas respostas simples que você me dá (noiva ou noivo), carregadas de significado, que eu posso sentir o arrepio e ao mesmo tempo a total certeza de que trabalho por uma causa e não por um simples retorno financeiro, trabalho contando histórias de amor, tenho meus boletos a pagar, sim é verdade, mas talvez não haja outro trabalho onde me entregaria totalmente de corpo e alma e receberia tanto de volta (o sentimento que cada casal deixa em mim).

A gente faz umas perguntas para os nossos clientes afim de conhecer melhor quem está por trás daqueles indivíduos que decidiram unir-se em matrimônio, com todo sacrifício (financeiro, emocional e de tempo) que um casamento trás. E numa dessas entrevistas que fazemos, querendo captar o máximo de informações e histórias do casal, me deparo com  histórias belíssimas de amor, como a do Ramon e da Victoria. Vejo cada vez mais que uma história de amor real não dá para ser filmada num parque bonito onde o casal se força a fazer mil poses fakes (e nós, tentando fazer tais poses parecerem reais diante da nossa câmera e depois da salvadora timeline da edição), então eu faço questão de me aprofundar no sentimento, buscando histórias de lugares importantes.

Descubro que o Ramon por ter vindo de uma cidade muito pequena do interior ainda não conhecia MC Donald's, teatro, cinema, parques e uma porção de entretenimentos que uma cidade como São Paulo poderia oferecer antes de começar a namorar Victoria. Além disso ele tem uma timidez muito grande e me alertava disso constantemente, falando também da sua dificuldade de falar sobre si mesmo. Nessa mistura de "papo de bar" com divã da Anne, eis que descubro um ponto muito marcante na vida dele, quando a Victoria lhe levou ao circo pela primeira vez. Nosso noivo começa a chorar e o silêncio já fala por si só: a real felicidade está nas coisas mais simples e nas descobertas mais lindas que ela o ajudou a fazer.

A vida de Ramon é realmente marcada por essas novas descobertas e um dia no circo, algo para nós tão simples, para ele carrega um intenso significado. Pois, proponho filmar no circo, vamos trazer de volta um pouco dessa magia e desse brilho no olho que ele viveu lá trás. Vamos mostrar como sua noiva mudou sua vida com pequenas atitudes diárias de incentivar suas novas descobertas, e que ele soube valorizar e entender o verdadeiro tamanho de tudo, celebrando a cada nova conquista, a cada novo passo rumo ao seu crescimento pessoal. A história deles me marcou, ressoou em mim um sentimento tão gostoso e uma vontade infinita de fazer cada vez melhor a minha atividade. E eu sigo aprendendo com ele, aprendendo com ela, me emocionando com essas histórias e me surpreendendo com onde onde nossos filmes podem levar.